Selo Geektopia lança biografia em quadrinhos de Stan Lee

Por Marcelo Naranjo
Data: 23 agosto, 2016

Desde 2013, o Grupo Editorial Novo Século tem trazido ao Brasil diversos títulos da Marvel no formato de romance, com histórias inéditas e algumas adaptações de clássicos dos quadrinhos. A série acabou se tornando um dos carros-chefe da empresa.

Foi assim que nasceu o selo Geektopia, com a proposta de apresentar obras de qualidade, produzidas tanto por autores já consagrados quanto por novas vozes que vêm conquistando atenção nos Estados Unidos e na Europa.

O selo estreia com Incrível, fantástico, inacreditável: a biografia em quadrinhos do gênio que criou os super-heróis da Marvel (192 páginas, R$ 59,90) que narra a história de vida de Stan Lee com a mesma energia e inimitável espírito excêntrico que o autor sempre apresentou no mundo dos quadrinhos.

Essa biografia visual relembra os principais momentos do artista, da infância conturbada na cidade de Nova York à sua ascensão como principal escritor e editor-chefe da Marvel Comics durante seu período áureo, nas décadas de 1960 e 1970; da parceria com Joe Simon, Jack Kirby e Steve Ditko à sua aparição no filme Vingadores – A era de Ultron.

Outros lançamentos previstos do selo são Warcraft – Laços de Fraternidade, de Paul Cornell, Chris Metzen e Mat Broome; e The Wicked + The Divine, de Kieron Gillen, uma saga sobre deuses na Terra. E as novidades não param por aí. Para 2017 estão programados Lost at Sea, uma mistura de drama e humor, por Bryan Lee O’Malley; Back to the Future – Untold Tales and Alternate Timelines, de Bob Gale e John Barber; Star Trek/Planet of the Apes – The primate directive, uma aventura que une as duas franquias, de Scott e David Tipton e Rachael Stott.

Durante a Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que acontece de 26 de agosto a 4 de setembro, fãs da cultura pop poderão conhecer de perto dois lançamentos do Geektopia: a biografia de Stan Lee e o sucesso da internet Como saber se seu gato está planejando matar você, de Matthew Inman.

Incrível fantástico inacreditável_CAPA DURA.indd

• Outros artigos escritos por

.

  • Cable-Man!

    Legal que na capa do livro , tem o Capitão América e o Surfista Pratreado, que não fazem parte das “criações” de Stan Lee, prefiro ler ás biografias de Jack “The King” Kirby e Steve Ditko os verdadeiros criadores da Marvel Comics junto com outros artistas

    • Enoch

      Do jeito que você fala parece que o Stan Lee nunca fez nada pela Marvel …

      • Cable-Man!

        Ele nunca mereceu esse status de “Criador-Mor” do Universo Marvel , Stan Lee sempre foi um ótimo marketeiro ,sempre soube vender sua imagem melhor do que os outros , Stan Lee não seria nada sem Jack Kirby ,Steve Ditko, John Romita Sr. e outros artistas ,o que Sr. Lee criou de revelante sem á parceria de Jack Kirby ,Steve Ditko e cia ?

        • Enoch

          Então você reclama de uma suposta falta de reconhecimento do Jack Kirby, do Ditko, do Romita e etc mas faz isso em relação ao Stan Lee ? Toda criação de um personagem de quadrinhos é uma parceria, já que se trata de uma linguagem extremamente visual. Até mesmo Alan Moore já deu entrevistas reconhecendo que suas obras mais aclamadas não seriam as mesmas sem a colaboração de seus desenhistas. Isso é normal. Mas não é por isso que uma pessoa sensata privilegia desenhistas em relação a quem escreve as histórias. Stan Lee é co-criador do Quarteto Fantástico, Homem-Aranha, X-Men, Demolidor e dos principais Vingadores só pra citar suas criações mais ilustres e mesmo não tendo criado o Surfista Prateado e o Capitão América soube desenvolver os personagens com uma sensibilidade ímpar para a época.
          Se não fosse pelo Stan Lee não haveria uma Marvel como a conhecemos hoje. Aliás, talvez não houvesse Marvel alguma. E com certeza, sem Stan Lee nem mesmo a DC seria como a conhecemos hoje.
          Ou seja, sem Stan Lee você provavelmente não iria vir a conhecer o Cable que você parece orgulhosamente ostentar em seu avatar. Aliás, quem seria o criador-mor da Marvel ? Rob Liefeld que nem mesmo um marketeiro medíocre consegue ser ? Cada uma …

  • VAM!

    Olá Marcelo,

    Minha coleção de bastidores dos quadrinhos vai aumentar!

    Espero que a vendas motivem a editora a investir na Bio do Kirby pelo Mark Evanier (um pecado não ter sido lançada ainda no Brasil).

    Abs,
    VAM!

  • Jorge

    Cable-Man, já li tudo isso que vc citou e muito, muito mais… trocentas entrevistas de gente do ramo, inclusive.
    Não acho que a Marvel – ou Stan em particular – tenha escondido a importância de Kirby, Ditko e etc. Eles sempre foram e serão eternamente citados e reconhecidos como co-criadores pelos editores e artistas da Casa.
    A questão incomoda muita gente, entendo, porque STAN ficou muito mais associado com o tempo como “único criador”. Associação falsa que gente “fora do ramo” realmente tem – mas somos ignorantes em tudo aquilo que não nos chama muita atenção não é mesmo?
    Mas isso aconteceu porque, além de escritor, ele também era editor, ou seja, era funcionário da Marvel.
    E não dá para invalidar seu sucesso – deixe de lado o estilo galhofeiro, no fundo é muito mais “engraçado” do que “marqueteiro do mal” que alguns tentam colar nele – porque ele editou dos anos 40 ao final dos 70. Artistas iam e viam, mas ele ficou lá, nos altos e baixos da editora.
    E enquanto Ditko amargou ostracismo e o Kirby tentou a DC (muito relativa essa noção de “revolução” nos anos 70…), até ter todos os títulos cancelados e voltar para a Marvel (com a benção de Lee, por sinal).
    STAN – quer queiram seus detratores ou não – provou ser muito versátil com personagens diversos e trabalhando muito bem com outros artistas, como John Buscema em Surfista e John Romita no Aranha.
    E daí que ele não criou mais nada relevante depois dos anos 60? (na verdade ele ainda fez a SHE-HULK em 1980) O que mais ele precisava provar? Heróis, vilões, conceitos, coadjuvantes…
    Na boa, o que é público e notório – dentro do mercado especializado – é que o Universo Marvel como o conhecemos hoje – e todas as consequências pro mundo das HQs já citadas – é resultado da colaboração de LEE, KIRBY e DITKO, mais outros caras que ajudaram sim, mas com menos relevância do que o trio.