Aspectos comportamentais dos colecionadores de quadrinhos no Brasil

Por Marcus Ramone
Data: 4 maio, 2015

Colecionar quadrinhos é um estilo de vida para fãs que fazem de sua paixão uma prática com comportamentos próprios – e nem sempre positivos.

 

À luz da psicologia e da sociologia, os fãs de quadrinhos costumam render um rico debate que tanto poderia enquadrá-los na categoria dos que têm dificuldades no convívio em sociedade e sofrem de conflitos íntimos por causa de uma suposta dependência, quanto dentre aqueles que fazem da leitura e do colecionismo de gibis e artigos afins uma prática bastante saudável, muitas vezes estimulada em tratamentos psicológicos ou atividades educacionais.

Em conversa com profissionais das duas áreas e com leitores cheios de paixão e manias, o Universo HQ procurou listar as características comportamentais mais latentes de alguns fãs e colecionadores de gibis no Brasil. Embora não represente uma pesquisa formal ou um estudo profundo sobre o assunto, o que se lerá a seguir é uma visão geral de como os chamados nerds fanáticos por quadrinhos se veem e são vistos pelos leigos no assunto.

Certamente, muitos leitores se identificarão com os exemplos citados ou lembrarão de alguém que se encaixa neles.

Quadrinhos

Vício e consumismo

No universo de pouco mais de 200 pessoas entrevistadas para este artigo (incluindo a maioria que optou por não ser citada ou “lembrada de sua existência” – segundo as palavras de uma leitora), 80% consideram-se literalmente viciadas em quadrinhos e compram HQs que já possuem porque foi relançada com uma nova capa ou formato diferente; e 20% admitem já ter passado do limite alguma vez ou não se descrevem como compulsivas. Do primeiro percentual, quase a totalidade adquire produtos relacionados pelo motivo primordial de terem estampadas imagens de personagens de quadrinhos dos quais são fãs, mesmo que, de fato, não haja necessidade de comprá-los.

“Evidentemente, há padrões muito normais e saudáveis em se interessar, acompanhar e colecionar quadrinhos e outros elementos relacionados à cultura pop, assim como há padrões patológicos. O critério que diferencia os dois é, principalmente, o prejuízo e a intensidade exagerada dos comportamentos”, explica o psicólogo curitibano Leandro Kruszielski, atuante na área de neuropsicologia. “Administrar uma área de interesse como as HQs pode levar o fã a conhecer mais pessoas que compartilham do mesmo interesse e aumentar seu círculo de relações sociais, o que seria muito positivo. Porém, caso o gosto pelos quadrinhos o leve a abandonar as relações sociais de outros canais promovendo o isolamento, é necessário estar atento.”

Kruszielski diz que um dos crivos principais deve ser o do prejuízo financeiro, para que esse comportamento não seja considerado doentio. “Se o gasto com quadrinhos leva ao corte de verbas essenciais destinadas, por exemplo, à alimentação, ao estudo e à saúde, a coisa pode estar complicada. Ou seja, deixar de comer (ou comer muito menos) para sobrar dinheiro para comprar gibi não é nada saudável. Esta lógica é aplicada também a outras áreas. Quem coleciona selos, latinhas de cerveja ou cartões telefônicos pode sofrer com traços obsessivos da mesma forma que fãs de HQs”.

Mas, como fã, o psicólogo também se dá ao justo direito de fazer suas compras correlacionadas. “Tenho alguns objetos, como uma caneca do Superman, um ímã de geladeira da Mafalda… coisas pequenas, pois não me considero um colecionador. Dentre dois produtos similares, escolho aquele que tem relação com os personagens que gosto, mas não compraria algo só por isso”, revela.

Em atitude oposta, o leitor Daniel Oliveira, de Belo Horizonte/MG, usa e abusa do que confessa ser um vício. “Se tenho que dar um ovo de Páscoa ao meu sobrinho, dou um que tenha personagens. Tiro o brinde, coloco um bombom no lugar, fecho e entrego”, diz, divertindo-se. E completa: “Sou completamente viciado em quadrinhos. Tão aficionado que, quando namoro, fico empurrando gibis para as meninas, para ver se elas se empolgam”.

Canecas colecionáveisCanecas colecionáveis

Rodrigo Scama, de Curitiba/PR, é ainda mais direto quando perguntado sobre seu nível de relação com os quadrinhos. “Sou viciado. E com orgulho. Qual pessoa teria vergonha de dizer que é viciado em literatura?”, desafia.

Para o sociólogo pernambucano Sérgio Coutinho, radicado em Maceió/AL, analisar o impacto dos quadrinhos sobre relacionamentos, consumismo e isolamento grupal demandaria um extenso trabalho de pesquisas de campo. “Mal conhecemos a nós mesmos a partir desse hábito”.

Mas Coutinho afirma ser possível descrever conceitualmente um nerd a partir da distinção entre leitor habitual e colecionador.

“O colecionador não costuma ter senso crítico sobre o objeto da coleção. Afinal, precisa adquirir tudo relacionado ao tema. Com isso, o consumismo será inevitável e a manipulação pela indústria será fácil sobre ele, sempre insatisfeito com a própria renda quando comparada a tudo que ainda deseja comprar, apenas porque tem um emblema de morcego ou um martelo nórdico impressos”, explana o sociólogo. “Assim, ou namora uma sósia da Jean Grey (o que não seria uma má ideia) ou encontra uma companheira extremamente tolerante – talvez colecionadora -, ou poderá, subitamente, terminar seus relacionamentos. Relações afetivas sempre disputariam a prioridade com hábitos desenfreados de consumo. Há estudos sobre colecionadores (mesmo que não sejam em número suficiente acerca de quadrinhos) na psicologia social, principalmente.”

“O leitor habitual, dentre os quais me encaixo, não lê Demolidor; lê Demolidor de Frank Miller, por exemplo. Assim, não sente necessidade de adquirir todas as edições encadernadas de uma mesma história que já comprou anos antes. Se não há enredo, a xícara com o símbolo do Homem-Aranha também se torna desnecessária”, conclui Coutinho.

Esse consumismo instigado pela indústria de entretenimento e colecionáveis, a que o sociólogo se refere, pode ser conferido não apenas naquilo que qualquer geração tem visto nos apelos comerciais direcionados às crianças. Em consonância com a pouca renovação de leitores e o envelhecimento do público de quadrinhos, uma variada gama de produtos para adultos vem sendo lançada em profusão com motivos dos personagens que acompanharam o crescimento de seus fãs.

Quando criança, o fã comprava bonecos e estatuetas para brincar, mas hoje continua sua coleção apenas para exibi-los em uma prateleira. Por um preço bem mais inflacionado, como mostram os muitos lançamentos que encantam e desencantam – dependendo de quem puder ou não adquirir tantos objetos de desejo.

ColeçãoColeção oficial de graphic novels da Marvel, lançada pela Salvat

Reações ao preconceito

Sentir orgulho de ler e colecionar quadrinhos foi um sentimento unânime entre os entrevistados. Mas nem sempre isso significa coragem para encarar o preconceito de peito aberto.

“Numa visita a uma comic shop, eu e meu marido encontramos um de seus colegas de trabalho. Assim que nos viu e fizemos menção de cumprimentá-lo, ele praticamente se jogou dentro de uma caixa cheia de mangás, para se esconder. Para ser mais exata, devo dizer que ele deixou o lugar alguns poucos minutos depois, sem comprar nada, aparentemente assustado com a nossa tentativa de falar com ele”, comentou a leitora Viviane Poitevin Melega, de Porto Alegre/RS, citando um caso muitas vezes recorrente, em que um colecionador de quadrinhos parece não se sentir à vontade quando é “flagrado” por alguém que ele acredita não compartilhar de seu hobby.

Leandro Kruszielski afirma não ter sofrido preconceitos significativos por gostar de quadrinhos, apesar de que, segundo ele, essa forma de arte é culturalmente tachada de infantil. “Um adulto que lê apenas (e muito) Turma da Mônica pode realmente ter problemas com a maturidade ou somente estar se divertindo, lembrando seus bons momentos da infância. Já um bom leitor de quadrinhos adulto tende a avançar e ler obras como Maus, Persépolis e Gen – Pés Descalços, que de infantil não têm nada. Ao contrário, possuem um nível de elaboração cognitiva muito mais elevado do que o da grande maioria das obras artísticas de massa, como uma telenovela, mas ainda assim sofrem preconceito por serem ‘coisas de criança'”.

Da mesma forma, Rodrigo Scama não tem do que reclamar. “Os quadrinhos exercem grande influência na minha capacidade de argumentação com alunos. Sou professor e dou aulas para os calouros na faculdade. Não sofro nenhum preconceito. Toda semana me veem com um calhamaço de gibis novos e tanto professores quanto alunos acham isso bacana. Alguns se interessam, outros não, mas preconceito é coisa rara”, argumenta.

Com o leitor Daniel Oliveira sempre foi diferente. Até na infância, dentro e fora de casa, o preconceito atingia sua paixão por quadrinhos. “Sofri um monte. Venho de uma família da classe trabalhadora, sempre morei na periferia. Imagine um magricela que não se interessava por bola ou pipas, sempre com um gibi debaixo do braço. A molecada ‘caía matando’. Questionavam até minha sexualidade. Para minha mãe e professores, isso era coisa de criança com retardo mental”, desabafou.

DC Comics – Coleção Super-HeróisEaglemoss: Coleção Super-Heróis DC Comics, de estatuetas 

O sociólogo Sérgio Coutinho relata um fato que define com perfeição a relação que às vezes há entre fãs quando o assunto entra em discussão em um ambiente em que nem todos são adeptos da nona arte. “Uma vez, numa aula, citei aos meus alunos um trecho de A Piada Mortal, de Alan Moore. Um aluno me procurou depois da aula e perguntou: ‘Você lê?’. Esse era o código entre leitores de HQs, dispensando complemento à frase. Se eu dissesse que era história em quadrinhos para todos, seria um problema, mas citar um escritor inglês com boas tiradas, fica de bom tom. É estranho, para mim, que num país em que predominam analfabetos e pessoas sem o hábito de ler, alguém possa segregar alguma forma – qualquer uma – de leitura”.

Autoafirmação e arrogância

O comportamento de autoafirmação entre seus pares é uma característica fácil de encontrar nos fãs de quadrinhos.

“Sempre que eu ouvia, numa comic shop, um nerd exibir a outro, na prateleira ao lado, os seus conhecimentos de histórias em quadrinhos de super-heróis, tinha a sensação de que ele queria deixar bem claro que mulheres, com os neurônios ocupados demais com roupas e namorados, jamais teriam inteligência suficiente para captar a complexidade do assunto. Contudo, apesar de me sentir um pouco irritada com isso, tenho de admitir que esse comportamento não é essencialmente diferente do que homens também fazem com relação, por exemplo, ao futebol”, disse Viviane Lisboa.

V. H. L., marido de Viviane, também comenta. “Como mulher, ela encara isso como uma tática machista, mas acho que essa característica do nerd, de ‘arrotar’ todo um enorme conhecimento intrincado sobre o universo dos super-heróis, não é algo dirigido a um tipo de pessoa em especial. Ele faz isso com todo mundo”, opina.

“Logo após ter visto o último filme do Batman, fui acessar um fórum de quadrinhos e vi que estavam ironizando um menino”, continua. “E qual foi o motivo do quase linchamento moral de um garoto por um bando de adultos nerds? Simples: ele mostrou extremo desconhecimento do universo ‘quadrinhístico’ e informou a todos, animado, que tinha descoberto na web um episódio do antigo seriado do Batman, dublado por brasileiros, no qual falavam muitos palavrões. (Nota do UHQ: a dublagem cômica batizada como Batman – Feira da Fruta, que já estava havia muitos anos circulando pela internet e que até virou uma edição especial em quadrinhos). Por alguma razão que me escapa, supostamente o conhecimento prévio daquilo os tornava superiores aos demais mortais. Era um bando de homens barbados insultando um jovem que tinha ousado se interessar por super-herói. Bela maneira de atrair os jovens para os quadrinhos.”

Para além de um simples hobby, o colecionismo de revistas em quadrinhos parece mesmo levar seus praticantes a um universo à parte, que nem todo ser humano é capaz de compreender e muito menos alcançar.

Se alguém duvida disso, basta ler a tira abaixo, da série Quadrinhos Ácidos, do cartunista Pedro Leite. Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência.

Marcus Ramone é um nerd confesso, mas certa vez ficou envergonhado quando foi comprar um gibi da Turma da Mônica e lhe perguntaram: “É para o seu filho?”

Ser nerd é..., por Pedro LeiteSer nerd é…, por Pedro Leite

• Outros artigos escritos por

.

  • Imperador Julius

    Coleciono quadrinhos desde sempre mas tive sorte de ter uma família tolerante. então nunca tive problemas com isso. Colecionar quadrinhos é um dos vicios mais inofensivos que existe, desde que o cara não deixe metade do salario nas comic shops. exagero é ruim em tudo na vida!

  • Chico Milk

    Mas quando vc namorava vc não contou p ela q vc colecionava?

  • Rafhael Victor

    Para de bobeira, menina. Abrace seu hobby, que é normal como qualquer outro, e não tenha vergonha de dizer do que gosta. A opinião de terceiros não define quem você é.

  • Olá me chamo Diassis Pires e tenho 43 anos, sou leitor/colecionador de HQs desde os 10 anos de idade, e tenho muito orgulho disso, nunca tive problemas com preconceito, claro sempre tem alguém que acha que isso é coisa de criança, porém isso está mudando, hoje em dia ser nerd está na moda e todos querem usar camisetas e assistir a filmes e series de super heróis. Observo ainda que sou filho de pais separados, e na época da separação, passamos por muitas dificuldades e as HQs me ajudaram a superar esses momentos difíceis, trazendo para mim diversão e muitos ensinamentos.

  • José Luís

    olá bom dia não colecionados mais tenho alguns e gostaria de vender como faço?

  • Tatiane Ramos

    Se já é difícil para os rapazes ,imagina para o público feminino? Tenho 38 anos e coleciono há pelo menos 23 ,ao ponto de ter sido proprietária de banca de jornal (sim falo,pois consumia mais do que vendia kkkk).Muitos estranham quando sabem de minhas coleções especialmente quadrinhos ,mangás,tenho filhos e claro foram pelo mesmo caminho ,Isso nunca interferiu em meu trato social ,pois sempre fiz disso um prazer que não me isolasse! O estereótipo tá mudando ,ainda bem !
    Mas sempre vai existir aquele que questiona seus gostos nada convencionais ,em um país cujo a média de leitura é de 2 livros por ano ,Os hqs só contribuem ,claro que a maioria prefere achar estranho do que ver o lado positivo !
    #nerdpower