E agora? Qual Sandman comprar?

Por Eduardo Nasi
Data: 9 abril, 2010

Sandman
Sandman – Edição Definitiva, da Panini
Comics
, Panini, chegou às livrarias nesta semana, e é natural
que haja um rebuliço: o personagem de Neil Gaiman é um dos maiores sucessos
dos quadrinhos no Brasil.

Diante disso, chegamos a fazer uma ação inédita no Twitter
do Universo HQ
: uma busca colaborativa pelo menor
valor de pré-venda para o volume. Com a ajuda dos leitores, encontramos
uma loja que vendia a R$ 103,00 – o preço oficial é R$ 154,00!

Ao mesmo tempo, muitas dúvidas surgiram. O preço alto vale a pena? A tradução
é boa? O que fazer com a coleção da Conrad? Importar
vale a pena?

Para ajudar o leitor a responder essas questões, este texto organiza todos
os pontos que foram discutidos e acrescenta mais alguns.

Analisamos a nova edição da Panini, o monumental Absolute
Sandman
norte-americano e a elogiada coleção publicada recentemente
pela Conrad – que são os materiais mais recentes e fáceis
de encontrar.

No final, há uma resposta – em tom pessoal e nada definitiva. Uma avaliação
mais rigorosa da edição da Panini ainda será feita futuramente
aqui no Universo HQ.

Afinal, qual Sandman comprar?

O que é?

Panini

Com o primeiro volume recém-lançado, Sandman – Edição Definitiva
é a versão nacional de Absolute Sandman, da DC Comics.
Compila os números 1 a 20 da revista de Neil Gaiman, com vários artistas
e muitos extras.

SandmanDC
Comics

Absolute Sandman é, até agora, a versão mais sofisticada da obra-prima
de Neil Gaiman. É uma coleção em quatro volumes (mais um dedicado às histórias
da Morte) com acabamento gráfico sofisticado, páginas recoloridas e diversos
extras.

Conrad

A coleção da editora foi publicada do começo ao fim entre 2005 e 2008,
em dez edições caprichadas, com capa dura. A Conrad também
lançou um volume dedicado às duas minisséries da Morte.

Tradução

Panini

Nesta edição, as HQs são traduzidas por Jotapê Martins e pelo editor Fabiano
Denardin. Já os extras foram vertidos por Érico Assis. Não há garantia
que o time se repita nos volumes seguintes – nem mesmo que eles saiam,
aliás!

No Twitter, a menção ao nome de Jotapê trouxe à tona
trabalhos anteriores, como a versão reduzida de Terra X, os cortes
de texto “para caber” nas velhas revistas da Abril e
até mesmo o hábito de batizar personagens secundários com seu apelido.
Essa questão, bem como outras pontuais, serão avaliadas numa futura resenha.

DC Comics

Não tem tradução. É o original, e Gaiman tem um texto ótimo e cheio de
referências. Ainda assim, pode ser uma leitura complicada para quem não
se dá bem com a língua de Shakespeare – até porque há trechos no inglês
arcaico de Shakespeare mesmo.

Conrad

A tradução de Daniel Pellizzari é elogiadíssima e muita gente a considera
insuperável. Foi ele quem percebeu que o título Worlds’ End era,
na verdade, no plural: Fim dos Mundos, em vez de Fim do Mundo,
como saiu pela Globo e até então consagrado por aqui.

Mas Pellizzari não traduziu os volumes 1 (Ana Ban) e 2 (Sérgio Codespoti,
editor do Universo HQ), nem as minisséries da Morte (Ana
Ban). Todas as edições tiveram a adaptação e edição de Sidney Gusman,
editor-chefe deste site.

Dimensões

Panini

Com 18,5 x 27,5 cm, é maior que a publicação original de Sandman,
mas muito parecida com a edição da Conrad e consideravelmente
menor que a edição Absolute da DC.

DC Comics

Com 22,6 x 40,1 cm, é consideravelmente maior que as duas versões nacionais.

Conrad

É muito similar à edição da Panini, com seus 19 x 28,2
cm. Mas, na época, a DC publicava Sandman apenas
em formato americano, ou seja, é maior do que a coleção em que se baseia.

Acabamento

Panini

Sandman
Edição caprichada, nos moldes das demais edições definitivas da Panini,
e com mais de 600 páginas! Além disso, traz cores novas – não inéditas
porque a Pixel utilizou esta versão na sua tentativa
frustrada de popularizar a série.

DC Comics

Capa dura, estojo, tamanho imenso. É um daqueles volumes que impressionam
na prateleira. 612 páginas. E as cores foram refeitas, utilizando tecnologias
mais modernas.

Conrad

Similar ao da Panini, mas as edições têm menos páginas.
E as cores são as mesmas da publicação original.

Preço

Panini

Oficialmente, R$ 154,00. Mas, como é comum em livrarias, há muitos descontos.
Num esforço coletivo feito no perfil do Universo HQ no
Twitter, com a ajuda de leitores, chegamos a divulgar
o valor de R$ 103,00 numa pré-venda (a oferta já saiu do ar).

Há uma relativa vantagem em comprar nas livrarias e lojas especializadas:
o consumidor pode parcelar o valor em diversas vezes, amenizando o impacto
no orçamento.

DC Comics

Oficialmente, US$ 99,00. Mas livrarias norte-americanas vendem por menos.
Numa cotação feita na Amazon nesta semana, foi possível
comprar o Absolute Sandman por R$ 133,00 – com frete para o Brasil
incluído.

Ou seja: menos que o preço cheio da Panini. Comprando
vários volumes de uma vez só, o preço do frete é amortizado.

Sandman
Ainda há lojas de descontos como a Strand Books, que
costumam ofertar livros ainda mais baratos. Quem não tem pressa deve ficar
de olho. A desvantagem é que não dá pra parcelar.

Também é possível comprar Absolute Sandman nas grandes livrarias
do Brasil. Custa mais caro: cada volume fica em torno de R$ 240,00. Mas
essas livrarias costumam fazer promoções de tempos em tempos. E ainda
parcelam.

Conrad

Os dois primeiros volumes e o álbum da Morte estão esgotados, e a editora,
por contrato, não pode relançá-los. No mercado de livros usados, essas
edições custam uma fortuna. Uma coleção completa pode custar mais de R$
1 mil.

Mas os outros volumes não são tão difíceis de encontrar. E muitas vezes
aparecem por preços realmente baixos, com descontos de mais de 50% – o
preço original de cada álbum ficava em torno de R$ 70,00.

Para completar

Panini

Batman – Preto & Branco, Starman, Seton… A tradição da editora
de não continuar séries não ajuda a gente a defendê-la nesse quesito.
A Panini nem sequer anunciou os outros três volumes da
coleção. Nem o álbum da Morte.

Mesmo que anunciasse, daria para confiar que a série chega ao fim? E que
os preços e padrões serão mantidos?

DC Comics

É fácil: os quatro volumes de Sandman estão em catálogo. E o
volume da Morte também.

Conrad

Não é fácil achar a coleção completa nem os primeiros volumes. A preço
baixo, então, é raridade.

E aí? Qual Sandman comprar?

Na verdade, a resposta não é uma só. Depende de cada pessoa.

Pessoalmente, hoje, eu compraria a edição da DC, porque
leio bem inglês e já tenho a coleção da Conrad completa
(e, a propósito, gosto muito das cores retrô). Pode ficar um pouco mais
caro, mas o acabamento, o tamanho e a língua original fazem muita diferença
e, pra mim, compensam o preço.

Sandman
É uma pena para o mercado nacional, mas as tiragens gigantescas dos norte-americanos
fazem com que ganhem muito na escala.

Mas a verdade é que não tenho nada especialmente contra as edições em
português que foram analisadas. Há questões pontuais que foram e serão
analisadas em resenhas, mas, em geral, os títulos que estão aí são de
primeira.

Não citei a versão frustrada da Pixel e as versões anteriores
da Metal Pesado e da Brainstore porque
não recomendo mesmo – e realmente duvido que alguém consiga completar
a coleção da Globo atualmente.

Digo mais: com exceção do Jotapê, que nunca encontrei, todos os outros
tradutores e editores são não apenas amigos queridos, mas também profissionais
por quem tenho respeito profundo e extrema admiração pelo trabalho que
fazem.

Penso que vários modelos de coleção são possíveis. Um deles é confiar
na Panini. Não é simples: eu mesmo comprei vários títulos
que foram pro limbo. Mas a boa repercussão de Sandman – Edição Definitiva
e de Neil Gaiman no Brasil me faz crer que há boas chances de a série
continuar até o fim.

Há uma possibilidade até meio bizarra que me agrada pra quem está inseguro
com a continuidade da série nas mãos da Panini e não
quer pagar uma fortuna pela coleção da Conrad: misturar
as duas coleções – elas têm o mesmo formato.

E você, pretende comprar a versão da Panini? Tem a da
Conrad? Prefere a da Globo? Comente
este artigo no Blog
do Universo HQ
.

Eduardo Nasi, num Sonho, viu, para seu Desespero, a Destruição
tomar conta de sua coleção de
Sandman. Era a Morte de seus álbuns
nacionais e importados. Felizmente, seu Desejo foi atendido e o Destino
não lhe foi tão cruel; tinha sido só um Delírio.

 

• Outros artigos escritos por

.